Social Icons

Featured Posts


quinta-feira, 6 de outubro de 2016

O Oráculo



Um homem, desvendando segredos e mistérios escondidos por séculos, tendo acesso às sabedorias das idades, guardadas por tradições milenares, finalmente descobriu a morada de quem os sábios chamam de Oráculo. A entidade que tudo sabe, que tudo explica. Possuidor da sabedoria primordial, o Oráculo é capaz de responder aos questionamentos mais profundos sobre a vida, o universo e tudo mais.

— Seja bem-vindo, José Carlos —, disse um homem de pele azulada, sentado em posição de lótus em um trono que se encerrava em meio a vários galhos e raízes das árvores que fechavam o local.

Pasmo, o homem caiu de joelhos. Não havia pronunciado sequer uma única palavra, mas o Oráculo demonstrou saber seu nome.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Reféns é que são elas

Esse cara de preto aqui no canto da foto, de costas, sou eu!

Parecia um dia comum. Acordei, tomei banho, enverguei uma roupa comum (camiseta e calça jeans), preparei a mochila e sentei-me em um banquinho para calçar os tênis. Depois, fiz que me levantaria, mas continuei sentado. Suspirei e olhei para minha esposa, que estava me esperando para se despedir. Ela me deu força; realmente eu não estava com quase nenhuma energia para passar mais um dia de trabalho. Após um caloroso beijo, respirei fundo e pus-me a caminho.

Ônibus, metrô, baldeação, metrô, ônibus. Uma hora de caminho, tendo como companhia "Os Três Mosqueteiros", de Alexandre Dumas. Enfim, eu havia chegado. Era dia 30 de março, eu estava pronto para começar mais um expediente. E, para quem não me conhece, trabalho no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, mais especificamente no Fórum Regional XV - Butantã, na zona oeste da capital paulista.

Coloquei a indisposição de lado, como sempre faço quando assim estou, e comecei a trabalhar. O rendimento estava normal para um dia comum, processos, liminares, alvarás, guias, ofícios, despachos, sentenças. O trabalho no gabinete de uma juíza de Vara de Família e Sucessões não pára, e é um caso mais complexo que o outro. Quanto mais complexo, mais atenção, e quanto mais atenção, mais trabalho e esforço. E quanto mais trabalho e esforço, menos energia.

Pausa. Hora do almoço, para relaxar, conversar com os colegas, e, principalmente, comer. 

Voltei do almoço. Na sala de audiências, uma audiência deu início para tratar sobre pensão alimentícia. No gabinete, onde trabalho, retomei minhas atividades. Foi quando olhei o celular e vi algumas mensagens no WhatsApp. Comecei a respondê-las, mas, no meio de uma frase, ouvi um estampido e um barulho de vidro se espalhando pelo chão. Gritos, mas não eram de pânico. Na verdade, parecia mais com dois homens brigando.

De repente, pela porta do gabinete, eu vejo uma multidão correr desesperada. Muitas pessoas entraram onde eu estava e, sem entender, eu me levantei. Fecharam a porta e disseram, desesperadas: "Estão atirando em todo mundo!". Então, encaminhei todos para a sala de audiência, que tinha mais espaço (o gabinete é anexo à sala de audiência). Todos para o chão, advogados, partes, escrevente de sela, eu, minha juíza, e todos que entraram no gabinete.

sexta-feira, 4 de março de 2016

O problema não é o Bolsonaro...



Misógino, racista, homofóbico, classista, preconceituoso e fascista. Dos pontos negativos de um ser humano, Jair Bolsonaro reúne tudo aquilo de mais desprezível que um homem comum pode ter. E, com isso, fomenta o ódio classista, que de dissemina através da ampla ignorância da população, em prol de interesses pessoais ou de conchavos (o que não deixa de ser pessoal também, mas indiretamente).

Entretanto, é um sujeito importante na atuação de um Estado Democrático de Direito (arght! tive que torcer o pâncreas para admitir isso). 

Sim.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Não ouço suas panelas!




Eu era assinante de uma determinada revista, e quando me mudei para o bairro do Cambuci, região central da Capital de São Paulo, transferi essa assinatura para o meu novo endereço. 

Na primeira semana, recebi a revista normalmente. Na segunda semana, também. Na terceira, falhou. Na quarta, também. Liguei para a editora reclamando, dizendo que não estavam entregando a revista em minha residência. Eles verificaram no sistema e disseram que estavam entregando sim, mas que possivelmente estaria sendo extraviada por outrem. Então, eles sugeriram que o entregador tocasse a campainha toda vez que fosse realizar a entrega. 

No início, deu certo. O problema é que algumas vezes eu não estava em casa para receber. E não tardou para que a revista começasse a falhar. 

Mas antes que eu pudesse reclamar com a editora, em um sábado, quando cheguei em casa, me deparei com o saco onde a revista vinha embalada vazio, e com a etiqueta com meu nome, amassada, tudo num cantinho.

Não havia dúvidas. Algum vizinho estava descaradamente furtando minhas revistas.

Depois de algum tempo, descobri quem era ao ver que a revista furtada estava em cima de um móvel, perto de uma janela do apartamento dele. 

Curiosamente, este vizinho bate panela todas as vezes que a Presidente da República faz algum pronunciamento na televisão.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Bandido Bom



    Hoje em dia, com a ajuda da mídia, que só faz reforçar este tipo de pensamento, as pessoas alimentam um ódio imenso contra o criminoso. Limitamo-nos a xingar essa corja de assassinos atrás de nossas televisões e computadores, esquecemos o meio em que eles vivem e como são tratados pela própria sociedade, e repetimos a célebre e imbecil frase “bandido bom é bandido morto”, sem nos darmos conta de quão equivocada é a ideia contida nessa oração.

    É só pensarmos com um pouco de calma: por que no Brasil, em regra, não é admitida a pena de morte? Alguns responderiam que é porque é um país atrasado, retrógrado. Novamente, discordo e explico: não é a pena de morte que vai reduzir a criminalidade. No Canadá, por exemplo, tal medida foi abolida há alguns bons anos, e isso não fez com que o país se tornasse “retrógrado”. Em alguns estados dos EUA, que admitem a pena de morte, por exemplo, o índice de criminalidade nunca teve queda considerável por conta disso. Aliás, o índice de criminalidade em estados que admitem este tipo de pena, quando comparados com os que não admitem, é praticamente igual. Por que no Brasil seria diferente?

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Não parecia justo



     Caminhava com seus pés arrastados. Estava tão cansado que não suportava o peso de seu próprio corpo. Cada passada era custosa, até pensar lhe doía. Era ainda quarta-feira, teria até sábado para trabalhar. Estava cansado de se sentir cansado, mas alternativa não tinha. E ainda era criticado por aquilo.
    Duas horas de ônibus e uma de trem todos os dias. Isso quando não chovia. Dois filhos para alimentar e um salário que tinha mais descontos que créditos. Ainda tem de suportar a fúria de seu chefe quando chegava atrasado.
    Atrasado.
    Já estava acostumado com aquela palavra. Sempre ouviu de seu falecido pai de que sua pele o forçava a se esforçar o dobro para se igualar ao branco. Mas a pergunta que não lhe era respondida e que nunca abandonara sua mente: por quê o esforço deveria ser o dobro, se o atraso era cem vezes maior?
    Perdeu as contas de quantas vezes havia perdido a concorrência em vagas de empregos. Até por profissionais menos qualificados. A escravidão acontecera há 130 anos, mas sempre lhe pareceu ter acontecido há 130 dias.
     Não parecia justo. 

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Marcos é gay



      Marcos é gay. Contrariando sua educação de primeira linhagem, seu pai que não perdia a oportunidade de ver alguns peitos e bundas balançarem nos domingos de tevê aberta, seus tios que elogiavam seu pênis quando ele tinha meses de vida, as tias que prometiam as primas ou filhas de alguém ao garanhão da família, as inúmeras meninas que ele beijou na adolescência e que se entregavam ao excesso de testosterona que ele exalava… Contrariando até o time do coração — afinal, futebol diz muito sobre sua orientação sexual —, o garoto, aos 22 anos de idade, assumiu a homossexualidade.

      Marcos é meu vizinho. O vi nascer. Cresceu na casa de portão vermelho logo à frente da minha. Como um bom primogênito — ouvi dizer até que por um tempão fora o único homem da família, até o nascimento de seu primo Jaime —, foi recepcionado ao mundo com presentes variados: roupas azuis, bolas azuis, carrinhos azuis, fraldas azuis, carrinho de bebê azul e até um berço azul ganhou da sua madrinha. Azul para certificar que se tratava de um menino.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

O Ego Religioso


    Antes de começarmos, esclareço que não se trata de um texto "anti-cristão", "pagão", "herético" ou algo similar. Trata-se apenas da análise do fanatismo religioso que atinge boa parte da população mundial. Aqui, vou me ater ao Brasil, onde a maior parte da população é cristã.
    Desde o início da colonização, o país tem adotado o cristianismo como religião majoritária a ser praticada pela população. Chegamos até a ter o Catolicismo como religião oficial, com a primeira Constituição Federal, em 1824. E o movimento que se percebe desde meados da década de 1990 é a migração de boa parte dos cristãos para o protestantismo, também conhecido como "Igreja Evangélica". É uma metonímia que engloba todas as crenças cristãs que não pertencem ao catolicismo (Assembleia de Deus, Igreja Universal do Reino de Deus, Igreja Adventista, Bola de Neve Church etc).
    Não importam os motivos deste crescimento gigantesco que tem acontecido, pelo menos não para este texto. Falaremos disso em outra oportunidade. A análise vai se ater ao fanatismo religioso de alguns cristãos, o que inclui os católicos.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Reforma Política



Para que haja uma significativa melhora no panorama nacional, em termos políticos e sociais, precisamos de um começo prático, com resultados a curto e médio prazos (porque investir na educação só nos traria resultados significativos em umas 3 gerações, eu acho). Não, o impeachment não é o caminho ideal. No entanto, a reforma política, neste cenário, é medida de urgência e extrema necessidade, com foco nos seguintes temas:

1- Proibição de financiamento de campanha política por pessoas jurídicas e limitação de doações por pessoas físicas.
2- Aumento do fundo partidário e melhor distribuição da renda, conforme o tamanho (número de filiados) do partido político.
3- Proibição de coligação partidária para cargos do legislativo.
4- Voto distrital para cargos legislativos.
5- Fim da reeleição e candidatura de 5 anos para executivo e legislativo.
6- Diminuição do número de parlamentares.
7- Divisão proporcional sem mínimo e máximo de representantes na câmara por estado.
8- Extinção do suplente de senador.
9- Redução dos salários e auxílios dos senadores, deputados federais e estaduais e cargos eletivos do Executivo, bem como a diminuição (ou extinção) dos salários dos vereadores.
10- Implementação do voto facultativo.

Vamos tentar mais uma vez...




      Muito bem, o ano de 2016 começou, e com ele mais uma tentativa minha de manter este blog atualizado (na medida do possível). Começando até pela proposta dele: não serão mais textos esparsos, sem foco. Falaremos sobre comportamento humano, filosofia, ideologias, história, política e atualidades. Realmente, um pouco mais chato, já que praticamente não teremos espaço para memes, vídeos, piadas e outras coisas. Mas faz sentido, não faz? O blog foi criado em 2007, e de lá pra cá a internet sofreu profundas mudanças, de modo que se eu quiser me divertir vendo vídeos, vou ao YouTube; se quiser ler piadas ou memes, uso as redes sociais. 
      Mas não foi só a internet que sofreu mudanças. Este que vos escreve também mudou — e muito — a maneira de pensar. E por tal motivo fiquei tanto tempo sem postar nada aqui no blog: desde 2013 atravessei um momento de desconstrução de conceitos e ideologias, mudei meu ponto de vista sobre praticamente tudo. Notem que a mudança foi tamanha que os textos anteriores já não mais expressam aquilo que penso. Por isso, vamos aqui começar do zero. Vou tentar aprender a mexer no Blogger para descobrir como posso colocar postagens exclusivas em uma página (tipo "arquivo"). Daí as postagens antigas vão pra lá. Por enquanto, estão desativadas mesmo.
      Bom, a proposta do blog agora será mais séria. Isso significa dizer que também tocará em temas de bastante complexidade e polêmica. Acima de tudo, os textos expressarão uma opinião pessoal que pode ser mudada a qualquer momento, e, por isso, está longe de ser tratada como verdade absoluta. O objetivo aqui é a informação e reflexão sobre determinados temas.

      A jornada recomeçou. Espero poder contar com sua participação!
      Um abraço, e até o próximo texto!